Feb 24 2012

E 25 anos sen José “Zeca” Afonso…

Published by at 23:37 under Música,Poesía,Política

E hoxe tamén se fan 25 anos sen o cantor portugués José Afonso, o “Zeca”, cuxa voz tantas veces me acompañou desde a mocidade. E aínda o segue a facer de cando en vez. Deixo nesta bitácora un testemuño desa voz e dese labor de compositor na canción “O que faz falta”, da que ao final tedes a letra. Por certo, para quen non perciba o significado da palabra “malta” que tanto se repite, velaquí a definición no Dicionario Priberam de portugués:

[Informal] a malta: locução que corresponde semanticamente ao pronome pessoal nós, mas gramaticalmente a uma terceira pessoa do singular (ex.: a malta está pronta), e designa o grupo em que se integra quem fala ou escreve.   (= GENTE)

E tamén reproduzo un dos artigos que lin estes días sobre o “Zeca”, publicado no dixital A comuna e asinado por Vítor Sarmento:
No dia 23 de Fevereiro de 1987, José Afonso não resistiu à doença que há vários anos o atormentava e que também o impedia de cantar e partiu, com apenas 57 anos de idade.
O seu último espectáculo ao vivo foi realizado em 1983 e o seu último CD, gravado em 1985.
Deixou-nos uma vasta obra que o torna impar na música portuguesa – pelo novo sentido que introduziu no fado de Coimbra, pela recuperação da nossa música tradicional, pelos poemas que escreveu, pelos poetas que cantou ( de Luis de Camões a Fernando Pessoa)e pelas melodias que criou. Mas é também a PESSOA, de enorme sensibilidade criativa e com profundo sentido humano e crítico que perpetua o nome de Zeca Afonso e atribui a intemporalidade às suas canções.
Zeca dizia que buscava a inspiração para as suas canções no nosso povo e a partir daí exaltava as suas vivências, os seus sofrimentos e as suas aspirações.
Foi assim durante a ditadura fascista ao denunciar vários crimes cometidos de que são exemplo os assassinatos de Catarina Eufémia, em 1954, com “Cantar Alentejano” e de José Dias Coelho, em 1961, com “A Morte Saiu à Rua”.
Denunciou as arbitrariedades da PIDE/DGS em temas como os “Vampiros” e “Era de Noite e Levaram”, ou o “Cavaleiro e o Anjo”; denunciou a guerra colonial com o tema “Menina dos Olhos Tristes”; a pobreza com “Menino do Bairro Negro” ou o “Tecto do Mendigo”. Exaltou valores solidários como “Traz Outro Amigo Também” ou “O Meu Menino é D’oiro”. Gritou a revolta em “ Redondo Vocábulo” ou a “Epigrafe Para Arte de furtar”
A ditadura fascista procurou abalá-lo, sem sucesso. Prendeu-o várias vezes e impediu-o de exercer a sua profissão de professor.
Esta pressão aproximou-o ainda mais do seu povo, encontrando nos trabalhadores e nas suas lutas, nas colectividades e nos sectores mais esclarecidos o seu “porto de abrigo”.
O Zeca devolvia esse carinho com as suas canções de esperança, que tantas vezes deram o ânimo necessário para manter a chama da luta acesa e confiante, culminando com “Grândola Vila Morena” na madrugada libertadora do 25 de Abril.
Nos anos que se seguiram à Revolução e até à sua morte, Zeca não parou de compor, de escrever e de estar sempre atento à vida dos mais pobres e oprimidos, continuando a exaltar as lutas em temas como os “Índios da meia praia” ou “Alípio de Freitas”, entre outros.
Mesmo podendo não concordar com todas as suas opções, sabemos que estas eram sempre defendidas com a sinceridade e a convicção de que seriam as melhores para o seu povo, com total desprendimento face a glórias ou a quaisquer benefícios.
Naturalmente, todos sentimos muitas saudades do Zeca… da sua voz, das suas músicas, da sua generosidade, da sua modéstia e das suas histórias. Do seu exemplo cívico.
Vinte e cinco anos depois, poderemos dizer que honrar a memória do Zeca é juntarmos forças para defendermos a nossa identidade cultural, a nossa língua e a nossa música. É também podermos continuar a cantar as canções que denunciem a destruição que o nosso povo e o nosso país estão a sofrer com este governo da troika. É, acima de tudo, podermos dizer ao Zeca que o seu exemplo continua a inspirar-nos, em particular às gerações mais jovens e que, apesar das ameaças que pairam no nosso país, todos juntos temos forças capazes de defender o Portugal que ele ajudou a dar nova vida e luz na Revolução de Abril. (Vitor Sarmento)


O que faz falta
Compositor: José Afonso

Quando a corja topa da janela
O que faz falta
Quando o pão que comes sabe a merda
O que faz falta

O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta
O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta

Quando nunca a noite foi dormida
O que faz falta
Quando a raiva nunca foi vencida
O que faz falta

O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é acordar a malta
O que faz falta

Quando nunca a infância teve infância
O que faz falta
Quando sabes que vai haver dança
O que faz falta

O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é empurrar a malta
O que faz falta

Quando um cão te morde a canela
O que faz falta
Quando a esquina há sempre uma cabeça
O que faz falta

O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é empurrar a malta
O que faz falta

Quando um homem dorme na valeta
O que faz falta
Quando dizem que isto é tudo treta
O que faz falta

O que faz falta é agitar a malta
O que faz falta
O que faz falta é libertar a malta
O que faz falta

Se o patrão não vai com duas loas
O que faz falta
Se o fascista conspira na sombra
O que faz falta

O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta
O que faz falta é dar poder a malta
O que faz falta

5 responses so far

5 ResponsesE 25 anos sen José “Zeca” Afonso… to “”

  1. acuáticaon 25 Feb 2012 at 01:31

    O que quería dicir sobre o teu libro deu pé a outro artigo sobre as ferramentas achegadas polas mulleres ao ámbito literario. Velaquí o artigo en que falo das Crebas: http://www.terraetempo.com/artigo.php?artigo=2292&seccion=5

    Saúdos. Marta

  2. Miro Villaron 25 Feb 2012 at 10:15

    Obrigado, moitas grazas Marta pola túa suxestiva lectura e anotación posterior. Permítome reproducir un fragmento do artigo nesta bitácora. Apertas atlánticas.

  3. chonon 27 Feb 2012 at 09:38

    a min tamén me gustou o artigo de Marta, (que me recomendou un escritor de teatro ) e iso obrígame a ler o teu libro.

  4. Miro Villaron 27 Feb 2012 at 09:56

    Pois agardo que a lectura sexa para ti tan suxestiva como o foi para a poeta Marta Dacosta. Nesta bitácora podes ler tamén outras recensións sobre o libro se fas unha procura na caixa que hai para buscas ou se entras polo apartado de recensións. Porén, eu sempre recomendo ler un libro de maneira virxinal e logo confrontar a propia lectura coa das outras e dos outros. Saúdos.

  5. InfinitoMutante « TRIPLO IIon 05 Ago 2012 at 13:23

    […] 25 ANOS SEM JOSÉ "ZECA" AFONSOhttp://crebas.blogaliza.org/2012/02/24/e-25-anos-sen-jose-zeca-afonso/ Helena […]